Literatura Estrangeira · Young Adult

Os Adoráveis

Jeane Smith é uma blogueira.  Não, ela não é como uma típica adolescente. Independente, determinada, autêntica, e tantas outras coisas, Jeane quer mostrar, através de seu modo de vida, que ser adolescente pode ser muito mais do que baixar músicas da internet de graça, comprar roupas de grife, usar looks e penteados da moda.

 Jeane não suporta pessoas que a fazem perder o tempo com coisas que ela considera desnecessárias, é direta, sincera e, às vezes, até mesmo maluca. Ela tem apenas um amigo no colégio, é tachada de esquisita, vive à margem da vida estudantil, entra em debates irrefutáveis com professores, e, apesar de ser uma aluna, relativa e negativamente, temperamental, sempre tira boas notas.

Michael Lee, por outro lado, segue uma direção paralela à de Jeane. Filho de um médico chinês complacente e uma mãe que ainda lhe dá ordens e compra suas roupas, Michael, mesmo aos 18 anos, ainda é dependente, mas também, inteligente, o cara mais gato da escola, bom com as garotas, com os professores, no futebol — bem, a verdade é que não tem nada que ele não tente fazer para agradar a todos — e ainda é capaz de pré-julgar as pessoas pela suas formas de vida.

 Contudo, Os Adoráveis sucumbiu à tentação de que “os oposto se atraem”. Quem diria que personalidades tão distintas entrariam em atrito, de maneira adorável e peculiar, em algum ponto de seus planos?

“Seja futebol, Física, Teórica ou namoro, qual o sentido de se fazer qualquer coisa se você a fizer pela metade?” 
Página 18

 Acontece que apesar de  Jeane e Michael fazerem tudo o que lhes é importante com dedicação, a única coisa que eles realmente têm em comum é o ódio recíproco. Ah! Como poderia me esquecer?! Também há outro ponto de conexão, quer dizer, semelhança entre eles: um par de ex, Scarlett e Barney. Scarlett e Barney é o ponto de impacto de Michael e Jeane.

 Contrariando as “probabilidades estatísticas” de se suportarem, Michael e Jeane descobrem que existem muito mais chances de serem adoráveis do que odiáveis.

 “Eu tinha muito amigos, tanto dentro como fora da escola. Jeane parecia ter muito menos {…} verdadeiros amigos estavam ali por você, e eu pensei que podia tentar estar ali por Jeane.” 
Página 106

 Não se trata da química que rola entre a garota esquisita e o galã da escola, depois que o garoto percebe que existe uma mulher linda debaixo de todas aquelas esquisitices. Não, pelo contrário. Os Adoráveis é uma história sobre sermos quem realmente somos e não termos medo disso.

 Jeane e Michael são dois adolescentes que juntos, encontram a si mesmos. Aceitam os defeitos um do outro, compreendendo que há beleza no feio de cada um.

 Michael é um garoto educado e gentil, que consegue se abrir fácil para novas relações, mas Jeane não. Jeane é sarcástica, ácida, e distancia todos que se aproximam dela. As coisas não são fáceis para Michael, mas, olha, fiquei encantada com a determinação que há dentro dele! Michael não apenas me ganhou, ele me conquistou também, e eu não posso deixar de dizer o mesmo sobre Jeane, a forma como ela luta pelo o que acredita e não se deixa desanimar me fez admirá-la cada vez mais em cada página. Ela não é agradável, na verdade, é o que ela faz gente acreditar, mas a verdade é que ela é uma garota incrível.

  “Você pode pensar que sou uma solitária aberração, esquisita, mas pelo menos não tenho medo de quem sou.” 
Página 109

 O livro mescla narrações: ora de Jeane, ora de Michael. E isso é incrível; esse aspecto de ação e reação. Também se torna impossível não se apegar aos personagens, não por haver identificação, de forma alguma, mas por conhecermos quem eles são, através de seus pensamentos e sentimentos, e por saber o que acham sobre eles.
Há drama, frustração, decepção, aceitação, surpresa, admissão, superação, e muitas outras coisas adoráveis.

Como Jeane passa a maior parte do tempo isolada, fazendo postagens para seu blog, Adorkable, ou para seu Twitter, durante o livro há algumas postagens que ela faz e também vários tuítes que ela troca.

O fato de que a história discorre no último ano letivo, torna a narrativa rápida e leve, apesar das mais de duzentas páginas.

Mesmo não acreditando que a capa seja condizente, a diagramação me trouxe certa leveza e intimidade com o livro — apesar de não ser exatamente o tipo de leitura que eu gosto.
E, mesmo eu tendo que parar uma quantidade absurda de vezes para pesquisar sobre comidas chinesas, doces, bolos e balas que eu não conhecia, e também sobre algumas informações de Nova York, a leitura é bastante acessível — principalmente se você é  jovem ainda.

 “{…} Poderíamos ser jogados ao chão pela forma como pensamos e pela forma como nos apresentamos, e porque não temos medo de quem somos, mas, meu Deus, nós estamos olhando para as estrelas.”  
Página 267.

Título original: Adorkable
Autor: Sarra Manning
Páginas: 320
Editora: Novo Conceito
Edição: 1ª, 2013

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s